sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Diário de Bordo: Bucaramanga, Colômbia.


Bucaramanga, La Ciudad Bonita!

Foi esta a cidade que escolhi para morar por durante quase 2 meses... E não me arrependi! Estava esperando por uma cidade do interior, com bastante pobreza ou algo do tipo... Enganei-me! É cidade de riquinho, gente! hahahaha Morei num bairro chamado "Real de Minas".

Bucaramanga é conhecida como "A Cidade Bonita" justamente por sua riqueza de verde. A diversidade biológica aqui é bem grande! Nesta cidade existe uma grande preocupação com a preservação do meio ambiente e compromisso com o desenvolvimento sustentável. Ideal para os amantes de Botânica e Engenharia Florestal, como eu! Muito bonito de se ver! Muito bem decorada... Todas as praças enfeitadas e sempre cheia de gente! Uma graça!




Trilhas no Departamento de Santander, Colômbia.

Para quem não sabe, Bucaramanga é uma cidade que pertence ao Departamento (Estado) de Santander. Por lá, fiz diversas trilhas em Bucaramanga e nas cidades ao redor. Muitas dessas trilhas foram à trabalho e algumas foram por diversão. Foi incrível! Conheci lugares que nunca havia pensado em conhecer antes!

Listei aqui algumas das trilhas que fiz, mas saibam que existem muito mais!

Parque Regional Natural Misiguay: foi a minha trilha favorita e também a mais difícil! É possível fazê-la de ônibus! Mas o ônibus só passa em 3 horários diferentes por dia! As subidas são bem íngremes e algumas curvas bem fechadas. Não sei como o ônibus consegue subir aquilo lá! hahaha Eu morreria de medo... Fui a pé, pois estava à trabalho e meu trabalho consistia em, justamente, incentivar a população a ter um contato maior com a natureza. Ao final da trilha, havia uma cachoeira com pelo menos 4 piscinas naturais e 3 cascatas. Escolhi a mais calminha para me banhar. Havia muitos peixinhos por ali. Amei a experiência. Debaixo daquele sol todo, encontramos uma cachoeira com água bem fresquinha! (Nada de água geladooona!) Foi muito bom! Outra coisa que vale ressaltar é que nessa trilha havia diversos quiosques pelo caminho, onde era possível comprar água! Cerca de 60 centavos (de reais) por um saquinho com 500mL de água. (Lá na Colômbia, a Coca-cola vende água em garrafinha e também em saquinho plástico, que é bem mais econômico, porém, menos higiênico, né? rs...) Foram 4h de caminhada pra subir e mais 3h de caminhada pra descer, entrando pela entrada de Rionegro (cidade vizinha à Bucaramanga).



Charalá: em meu primeiro final de semana na Colômbia, fui convidada por uma brasileira (que estava trabalhando em outro projeto: Clow's) para ir com ela e o pessoal de seu projeto para um acampamento. Eu, que nunca havia acampado antes (e sempre quis acampar) topei na mesma hora! Paguei CO$42.000,00 (cerca de 50 reais) para ir. Esse dinheiro custeou o ônibus ida e volta até o local do acampamento, colchonetes e barraca de camping. Chegando lá, fizemos uma caminhada, no escuro, por pelo menos uns 20 minutos até encontrarmos um lugar para montarmos nossas barracas. Mesmo assim, eu e nem a minha amiga, havíamos levado roupa de cama (pois não tínhamos trazido nada disso do Brasil). Deixamos nossos tênis do lado de fora da barraca e dormimos de meias. Usamos o máximo de roupa que pudemos, fizemos nossas mochilas de travesseiro e nos cobrimos com nossas toalhas. Ainda assim, morremos de frio. A barraca ficou mega molhada de sereno! Foi a pior noite da minha vida! Não dormi nadica de nada! Graças a Deus, foi só uma noite! (Sábado para Domingo). Noite esta que, antes de irmos dormir, fizemos uma fogueira, assamos marshmallows, bebemos e cantamos muitas músicas em espanhol, inglês e, até mesmo, português! No dia seguinte, quando acordamos, havia uma aranha imeeeensa dentro do meu tênis! Ainda bem que olhei antes de calçá-lo. hahahaha Pra você que for "marinheiro de primeira viagem", como eu, fica aí a dica: sempre verificar o tênis antes de calçá-lo! Uma coisa bem legal foi que neste final de semana, eu aprendi todo o vocabulário em espanhol sobre artigos de acampamento (coisa que você, provavelmente, só vai aprender em um intercâmbio)! hahahaha Próximo de onde estávamos, havia uma pequena cascata, de onde alguns se aventuravam a pular. Eu não, eu tenho medo de bater com a cabeça numa pedra ou sei lá o quê... rs... A água estava bastante gelada, mas o Sol ajudava a aliviar.



Lebríja: aqui a trilha durou cerca de 1h. Fui exclusivamente à trabalho e não aconselho esta trilha para turismo. Eu e meus colegas fomos conhecer a estação de tratamento de água que abastece a cidade de Bucaramanga e suas cidades vizinhas. No caminho há muita plantação de abacaxi e, por isso, quase não há sombra. É caminhada debaixo de sol intenso o tempo todo. Digo, até a entrada da trilha para a estação de tratamento. Lá o caminho era bem estreito. Havia uma espécie de escada feita de barro, para facilitar a subida. A estação fica láááá embaixo. Quanod chegamos, era só descer. O problema foi subir de volta. Socorro! hahahaha Mas voltei viva! A estação estava desativada. Por conta do fenômeno El Niño, a escassez de água era grande. E a pouca água que havia, estava contaminada. Lamentável.

 


Parque Nacional Natural Chicamocha: esta trilha eu fiz com duas meninas (e sua cadelinha de estimação) que moravam comigo, na casa da minha Host Family (elas haviam alugado um quarto no nosso apartamento - isso é muito comum na Colômbia). Fomos de ônibus até Floridablanca e começamos nossa trilha por lá. Era uma subida pior que a outra. Havia canos com água potável pela trilha. De vez em quando, parávamos pra beber. Ao final da trilha estava o "El Santísimo", uma estátua de um santo que seria equivalente ao nosso Cristo Redentor aqui no RJ. É bonito ver a cidade lá de cima, mas não entrei no "El Santísimo". Primeiro porque não estava aberto ainda (cheguei lá às 9h da manhã e o El Santísimo só abria às 10h) e segundo, porque eu não estava afim de gastar dinheiro para entrar. rs... Outra maneira de chegar lá é de carro ou de teleférico. O teleférico, se eu não me engano, custa cerca de CO$20.000,00 (25 reais) para subir (e mais CO$20.000,00 para descer).



Parque Natural Regional Cerro La Judía: ao descer do Parque Chicamocha, em vez de eu continuar voltando para casa, entrei em outra trilha! hahahaha Resolvemos fazer a trilha do Cerro La Judía. Mais 2h de caminhada. Eu não acreditei no mundarel de gente que encontrei ao final da trilha! Havia muuuuuita gente! Bar, restaurante, música, pessoas fazendo fogueira e cozinhando em "caldeirões" e uma cachoeira imeeeensa! Fui pega desprevenida, pois não havia levado roupa de banho! O jeito foi entrar de roupa e tudo no rio! rsrs... Procurei o local mais calmo e me preparei para o meu "tibum"! rs... Que água gelaaaada! Era de arrepiar o corpo inteiro! Havia muitas pedras por ali, era difícil de pisar no chão. Mantive-me boiando o tempo todo. Eu estava bem próxima a uma das cascatas do rio. Gostei bastante! Foi uma ótima recompensa esse banho de rio ao final da trilha.



Outras opções para trilhas (que eu não fui), são:
- La Mesa de Los Santos;
- San Gil.



Esportes Radicais & Tatuagens

Em Bucaramanga há opções para a prática de esportes radicais, como o salto de paraquedas, por exemplo.

Porém, próximo dali, em San Gíl, há muito mais! San Gíl é conhecida justamente por seus esportes radicais! Pode-se praticar canoagem, bung-jump, paraquedas e muito mais! E tudo bem baratinho!

Bung-jump, por exemplo, dependendo da temporada, você pode fazer por cerca de CO$80.000,00 (cerca de 85 reais). Enquanto que o salto de paraquedas, você consegue fazê-lo por CO$40.000,00 (R$50,00), na baixa temporada.

Infelizmente, eu não pratiquei, pois todos os dias que meus amigos combinaram de ir, eu não podia. Uma pena.


Fazer tatuagem na Colômbia, também é bem mais barato! Minha amiga porto riquenha fez a sua aquarelada, nas costelas, por CO$80.000,00. E a tatuagem é relativamente grandinha. Cerca de 7cm por 5cm.

A tatuagem que eu queria fazer, o rapaz me cobrou o mesmo preço da minha amiga (CO$80.000,00). Então desisti. rs... Era uma tatuagem pequena e toda preta. Não achei justo ele cobrar o mesmo preço da tattoo da minha amiga (que era muito maior, mais complexa e colorida). Quando ele resolveu abaixar o preço para CO$40.000,00 (R$50,00!), eu deixei pra lá, já tinha outros planos para aquele dinheiro. rs...


Comes & Bebes

Na Colômbia há bastante comida boa: patacones, arepas, empanadas, etc. Os patacones eram como bananas amassadas e fritas (não sei explicar ao certo, mas eram muito bom!). As arepas eram uma massinha feita com farinha, que eles usavam no lugar do pão, no café da manhã, e comiam com ovos. Eles também as recheavam com outras coisas. Já as empanadas, eram como pastel de forno. Para mim, as melhores eram as de frango com catupiry e as de abacaxi com presunto (sim, abacaxi com presunto! As melhores!!).



O que não me agradava era o abacate à mesa. Adoro vitamina de abacate, mas abacate na comida e abacate com sal não me agradaram nem um pouco!

Lá eles não são muito chegados a temperos. É comum o arroz ser feito somente na água e sal, assim como o feijão. As vezes eles trocam o feijão por ervilhas. E nunca estão bem cozidos. (Gosto deles bem molinhos.) Eles parecem ter horror a alho, cebola e pimenta. Uma pena...

Nos restaurantes, você pedia o prato principal e, antes de te trazerem o prato principal, eles te traziam uma sopa. Eles tomam sopa antes de TODAS as refeições: café da manhã, almoço e jantar! TODAS! Além disso, o suco era liberado. À vontade. É só o seu copo ficar vazio, que lá vem a garçonete encher seu copo novamente. É assim até você dizer que não quer mais! Os valores dessas refeições variam de CO$5.000,00 à CO$7.000,00. (Obs.: na foto abaixo não é palmito, é aipim.)







No Mc Donalds da Colômbia, eles servem almoço de verdade. Isso mesmo: arroz, feijão (ou ervilha), batata frita, a sua escolha principal (eu escolhia coxa de frango), refrigerante médio e um sundae de sobremesa! Tudo isso por CO$9.900,00 (cerca de R$12,00!). Além disso, você mesmo podia se servir à vontade de picles, catchup e mostarda!


Corrigindo: Mc Donald's em Bucaramanga, Colômbia.


Com ressalvas, nos hambúrgueres, além do catchup, maionese e mostarda, que estamos acostumados, eles também colocam molho de abacaxi! Jesus! Que delícia! É a melhor coisa do mundo!!! Preciso aprender a fazer isso! hahahaha

Eles também fazem um molho chamado "ajíl", que é como se fosse o nosso vinagrete. Só que eles acrescentam pimenta e limão à receita. Fica muito bom! Porém, é bem apimentado mesmo! Eles geralmente o comem com salgadinhos e empanadas. Os intercambistas do México "faziam a festa"! hahahaha

Ah! E não estranhem em receber uma "embalagem de presente" quando pedir algum salgadinho para viagem... Ou então, receber a sua bebida "para viagem" dentro de um saco plástico, em lugar de um copo. Em Bucaramanga, é assim que eles embalam os lanches "para viagem"... rsrs...

Além dos hambúrgueres, eles também têm o que eles chamam de "perro loco" (cachorro-louco), que seria um cachorro-quente muito grande, que além de salsicha, também vem carne picadinha e frango desfiado. Além de um queijo branco meeeega derretido e borrachudo por cima. (O queijo deles é diferente do nosso.) Eles também vendem o que eles chamam de "morongo". Trata-se de uma bandeja de isopor com batata-feita e carne picada, frango desfiado, linguiça e queijo. É gostoso. Mas, como eu não gostava da linguiça que eles têm na Colômbia, eu pedia o meu sem linguiça. 



Além das gordices, é muito comum vermos pelas ruas e praças, vendedores de saladas de fruta! Isso mesmo! SALADA DE FRUTAS! Havia aqueles que vendiam melão, mamão, tudo cortado em tirinha, separados em um copinho. E aqueles que vendiam todos misturados, num copo. 

Adorei os misturados em um copo. Eles o serviam com queijo ralado e leite condensado! Parece nojento, né? Mas foi umas das melhores coisas que já provei na minha vida! As brasileiras que comeram comigo também adoraram! O copo pequeno custava CO$1.000,00 (R$1,20) e o copo grande me custou CO$2.000,00 (R$2,40). Esses aqui, eu comprei no Parque San Pío, no bairro Cabecera.



Além da salada de fruta, outra sobremesa que eu amei, foi o arroz com leite. É bem parecido com o nosso arroz doce, a diferença é que é bem mais líquido, mais cremoso. Muito gostoso! Foi a primeira sobremesa que provei no dia seguinte em que cheguei à Colômbia. Comprei-a numa tenda na porta da igreja que eu fui em meu primeiro dia (de fato) na Colômbia. O rapaz da tenda disse que o dinheiro era pra igreja e que eu poderia pagar quanto de dinheiro eu pudesse. Dei todo o dinheiro que eu tinha no bolso: CO$1.600,00 (mais ou menos R$1,90), pois eu não havia conseguido trocar os meus dólares ainda e estava com dinheiro colombiano emprestado de um mexicano que foi me buscar no aeroporto quando cheguei.


Além de todas essas comidas típicas colombianas, há também aquelas guloseimas que a gente só encontra lá, infelizmente não há no Brasil. Separei aqui as fotos de algumas para vocês verem:





E não podemos esquecer do melhor café da Colômbia, assim como este maravilhoso sorvete e o "picolé no copinho" super popular nas ruas de Bucaramanga:


Por conta do fenômeno "El Niño", Bucaramanga estava muito quente na época do ano em que fui lá. Só vi chover duas vezes durante todo esse meu tempo morando lá. Por isso, sorvete era algo que eu tomava bastante! E o que eu mais tomava era o "Cholado", uma espécie de sorvete com salada de frutas, chantilly, calda, chiclete e raspas de chocolate! Muito bom!


Uma curiosidade que reparei na Colômbia: lá, o Kinder Ovo e o M&Ms são mais baratos que os chocolates da Hersheys, ao contrário daqui. Outra observação que fiz, foi que toda massa (pizza, macarronada, lasanha...) era servida junto com torradas.



Dica: eu não fui, mas existe um restaurante/churrascaria brasileira em Bucaramanga. Disseram-me que o tempero não é tão brasileiro, mas dá pro gasto. rsrs... Seu nome é Do Brasil Churrascaria.


Transportes públicos

Metrolínea:
é um sistema de transporte de "ônibus sanfonados" como temos nas grandes cidades aqui do Brasil, como o Rio de Janeiro, São Paulo e Curitiba. Reza a lenda que eles pegaram a ideia justamente de Curitiba, no Paraná. Na foto que tirei, vocês podem ver que ele é igualzinho ao BRT do Rio de Janeiro. A diferença é que as estações não têm cadeiras para espera e os ônibus não possuem ar condicionado. Valor da passagem: CO$1.800,00 (que em Janeiro/2015 aumentou para CO$2.000,00 = R$2,40).

Ônibus: são coloridéééérrimos. Muito engraçadinhos. Pequenos e velhinhos. No ônibus não há cobrador e você paga o valor da passagem diretamente para o motorista. Valor da passagem: CO$2.000,00.

Táxi: são minúúúúúsculos, uma fofura! hahaha Só tive problema com um motorista que tentou me enrolar, ao perceber que eu era estrangeira. Os outros, foram bem tranquilos. Ao entrar em um táxi, automaticamente você já paga CO$5.000,00 (R$6,00). Mas como o sistema do taxímetro deles é bem tranquilo, geralmente eu chegava ao meu destino pagando apenas os CO$5.000,00 ou quando o trânsito estava muito intenso, esse valor variava de CO$5.000,00 à CO$8.000,00. O táxi mais caro que paguei foi CO$12.000,00. Dividindo com alguém, sai bem mais barato!

Atente-se: em Bucaramanga há táxis piratas, que cobram CO$3.000,00 como preço mínimo. Eles são bem mais baratos que os não piratas, of course. Mas nem os vi. Uma amiga minha, brasileira, pegou um deles por engano. O rapaz até "brincou" com ela, falando que ela era muito corajosa por pegar um táxi pirata sozinha. No final da corrida, ele ofereceu o cartão dele para ela. Mas eu não recomendo que ninguém pegue táxi pirata. Todos falam que é muito perigoso! (E eu acredito que seja perigoso em qualquer parte do mundo, né? Sem contar que não é nada legal!).


Dica: na Colômbia existe Uber. Na época que eu fui, todos me falavam para eu pegar o Uber, pois era mais barato que o táxi (que eu já achava mega barato!). Mas, como eu ainda não era familiarizada com o Uber, optei por usar o táxi mesmo.


Compras em Bucaramanga:

Para os que não sabem, "Shopping" em espanhol é "Centro Comercial". Diferentemente do que pensamos aqui no Brasil, já que pra gente, Centro Comercial é apenas um local para compras, que não chega bem a ser um shopping.

No Bairro de Cañaveral há um complexo com 4 shoppings interconectados por passarelas, são eles: Cañaveral, La Florida, Parque Caracolí y Boulevard del Parque.


Centro Comercial Parque Caracolí: ele fica em um complexo onde se conectam mais dois shoppings a ele: o La Florida e o Cañaveral. Shopping bonito, porém pequeno. Há uns 4 ou 5 andares nele. Porém, a impressão que tive foi que com 10 passos eu dava uma volta completa em cada andar no shopping. Apesar de pequeno, aqui estão as melhores grifes.


Boulevard del Parque: seria o "terraço" do Parque Caracolí. É um andar com boliche, games e vários restaurantes sofisticados, muito bem decorados! Excelente lugar para um Happy Hour!

Centro Comercial La Florida: achei a variedade de lojas aqui pequena. Digo, há bastantes lojas, mas muitas estavam fechadas e as que estavam abertas eram bem repetitivas às outras. O que vale a pena aqui é o Cinemark.


Centro Comercial Cañaveral: contém lojas de pequeno porte. No subsolo há algumas lojas de linhas e costura (minha mãe adora!). Também há uma casa de câmbio aqui. Achei o valor de troca de moeda muito bom! Nele, há uma filial do mercado Exito. Encantei-me com os cadernos que vendem aqui! E as canetas? Maravilhosas! Adoro papelaria! hahaha


Centro Comercial El Cacique: este sim é um shopping de verdade! Grande, com variedade de lojas e marcas! A Forever 21 e a Aeropostale estavam com altas promoções! Comprei um vestido muito bonito para mim aqui. A praça de alimentação também era maravilhosa! Bem ampla! E o shopping possuía ar condicionado!



Delacuesta Centro Comercial: este shopping fica em Floridablanca, um pouco afastado do Centro. É bem amplo e bonito. Tem tudo para se transformar num bom shopping como o El Cacique, já que o espaço é bem amplo. Pena que não há tantas variedades de lojas e marcas assim. Um pena mesmo!


Libraría Panamericana: a mais linda e uma das maiores livrarias da minha vida (até agora!). Ela é imensa, tipo uma Mega Store da Livraria Saraiva. (Acho que ela só perde pra FNAC. rs...) Possui 2 andares e um estacionamento subterrâneo imenso também. No primeiro andar você encontra mais artigos de papelaria e decoração, enquanto no segundo andar estão os livros e os eletrônicos! Inclusive games! Consegui comprar o meu tão sonhado livro"Don Quijote de La Mancha", o jogo "Super Mario Bros World" para Nintendo Wii por CO$60.000,00 (cerca de R$65,00, no Brasil custa R$199,90!!) e os meus fones de ouvido cor-de-rosa na Sony por CO$75.000,00 (infelizmente no Brasil, a Sony só vende desse fone nas cores branca e preta. Não há na cor rosa.).



Centro Comercial Acrópolis: meu xodó! Estava localizado ao lado do meu condomínio. Ele tem uns  4 ou 5 andares. Lojas variadas, mas nada de marca grande. Nele há boliche, mercado e cinema. Adorava tomar café Juan Váldez, sorvete Popsy, ir à pizzaria e comer no Subway também. Compras que é bom? Só no mercado mesmo... Comprando COMIDA, pra variar! kkkkkkkk Mentira! Comprei uma caneca personalizada com o nome do meu curso também: "Aquí toma la mejor Ing. Forestal"!


Centro Comercial Cuarta Etapa: bem no centro do bairro Cabecera. Quando estava por lá, eu sempre passava por aqui para almoçar ou ir ao banheiro. A praça de alimentação fica no último andar. A variedade não é tanta. Mas há quiosques de massas, frango e comida oriental (bem cara!). O spaghetti, no quiosque de massas, era um tanto caro se formos comparar com os outros tipos de comida. Infelizmente, neste shopping não há ar condicionado (somente dentro das lojas). Aqui também há uma cafeteria Juan Váldez, onde eu costumava tomar café da manhã, por ser próximo ao local de reuniões do meu trabalho (UNAB).


Centro Comercial Cinemas Cabecera: fica ao lado do Cuarta Etapa. Há algumas lojinhas simples, nada de grife. O que vale a pena ali é o cinema (que eu deixei pra voltar num outro dia e acabei não voltando... rs...).

La Quinta Centro Comercial: neste aqui eu só "passava de passagem" mesmo... rs...



Centro Comercial y Almacén El Vivero: nada de shopping, é apenas um centro comercial bastante popular. Está localizado no Centro. Só vim aqui duas vezes, ambas as vezes foram para ir ao supermercado Exito que existe aqui. Aqui o tráfego de pessoas é intenso. Para quem não conhece, o Exito é um mercado muito bom! Podemos compará-lo a outros grandes, como: Carrefour, Walmart e Extra.

Centro Comercial San Andresito: existem dois desse: um no Centro e outro em La Isla. Pra mim, ambos são realmente "centros comerciais" e não "shoppings". É como se fosse um camelódromo, com vários stands. No de La Isla adoram estrangeiros! Colocam o preço lá em cima quando percebem que você não é de Bucaramanga e ainda tem a sem vergonhisse de dizer que vão "fazer um preço baratinho pra você". Houve uma senhora que falou isso pra mim e eu respondi: "Senhora, estou aqui há quase 2 meses, fazendo um trabalho voluntário para as pessoas do seu país, não estou ganhando dinheiro nenhum em troca. Eu sei muito bem que este preço não está nada baratinho!" A senhora ficou me olhando com cara de tacho, provavelmente envergonhada. Então eu saí e a deixei "sola". Essa senhora aumentou o preço em mais de 100%!!! O ideal é ter uma ideia dos preço e barganhar ou então, ir fazer compras com algum bucaramanguense. Assim, você evita esses caras de pau! rs... Comprei 3 do mesmo produto no San Andresito do Centro, pelo preço que aquela senhora queria me cobrar em apenas 1. Como? Barganhei!


Uma dica: se deseja comprar lembrancinhas e outros artesanatos baratos, vá à cidade vizinha: Girón! Lá é tudo bem baratinho!



Câmbio de Moeda

Sobre troca de moedas em Bucaramanga, é bom você saber que:

  • Eles exigem que você apresente seu passaporte para realizar a troca;
  • O único lugar onde eu encontrei que fazia troca da nossa moeda (Real), foi no aeroporto.

Quase todos os locais onde fui trocar moeda estão localizados no bairro Cabecera. Com exceção de um, que está no bairro Cañaveral. No geral, eles me davam CO$3.000,00 para cada US$1,00.

Dica: no aeroporto de Bucaramanga, o valor de troca estava bem mais em conta do que em qualquer outra casa de câmbio na cidade. Porém, quando eu cheguei, a casa de câmbio estava fechada. Não retornei, pois o aeroporto fica bem distante da cidade, papo de ter que pagar pedágio para chegar até lá. Então, não valeria a pena.


Festas & Baladas 

Kasa Guane Hostel: era neste hostel onde eu e os meus amigos intercambistas fazíamos os nossos Happy Hours. Aqui havia uma sala com TV e um outro espaço, no terraço, com bar, som e sinuca. Fizemos diversas festinhas de despedidas (para os que já estavam indo embora) aqui. Aqui também conheci mochileiros e diversas partes do mundo. Ideal para praticar outros idiomas e conhecer gente nova! Até em francês eu me comuniquei aqui! O que é difícil, já que a maioria prefere se comunicar em inglês nesses lugares. Mas conheci alguns que queriam praticar português também. Foi bem legal essa experiência. Depois da Kasa Guane já fui a outros hostels e funcionou do mesmo jeito: todos amigáveis, querendo conhecer gente nova, praticar idiomas e ter novas experiências. Super recomendo!



Cabecera: eis aqui o bairro no centro de Bucaramanga, onde tudo acontece! rsrs... Diversos bares e danceterias pelas ruas da Cabecera. Muito bem badalado e decorado. Transporte "fácil", uma vez que o serviço do Metrolínea passa por ali. Também é possível encontrar taxistas e solicitar um Uber. Das baladas que há ali, eu fui a duas na noite de Natal. No primeiro, nós entramos e começamos a dançar. O pessoal que bebia, pediu uma bebida cada um. Quem não bebia, não pediu nada e se juntou aos outros para dançar na pista de dança. Porém, lá não é igual ao Brasil. O mulher disse que se quiséssemos dançar, tínhamos que consumir. Ela queria nos obrigar a comprar 3 garrafas de Vodkas, sendo que não bebíamos. Sem contar que ela foi muito mal educada conosco, em plena noite de Natal. Sentimos-nos muito mal e então, saímos dali. Fomos para uma outra danceteria ali perto, na mesma calçada. Eram basicamente vizinhas uma da outra, chamava-se: Lala Bar. Lá dançamos e bebemos sem ser obrigados a consumir nada. Havia um DJ e um espaço super bacana. Adoramos! Divertimos-nos muito!




Diferentemente daqui (Brasil), lá, ninguém chegava em ninguém (a não ser os brasileiros que estavam conosco. rs...). hahahaha Eram todos bem tranquilos (embora, nas ruas da Colômbia houvesse muito assédio contra a mulher). Os casais que estavam se pegando, eram justamente os casais que já chegavam acompanhados. E eles se pegavam pra valer, sem pudor! hahahaha Na pista, abriu-se uma roda bem grande, onde todos dançavam lado-a-lado, fazendo o mesmo passinho. E quando tocou forró, dançaram aos pares. A roda se desfez quando formaram-se várias fileiras para dançar Macarena! Isso mesmo, MA-CA-RE-NA! Separei uma parte do vídeo que publiquei em meu Instagram para vocês verem:


Chiva Rumbera: para quem não sabe, chiva é uma espécie de mistura de ônibus com caminhão bem comum na Colômbia. É toda colorida! Aqui, eles fizeram uma chiva toda decorada, com música alta e luzes de discoteca! Eu não fui, mas via essa chiva passando todas as noites na rua, pela janela do meu quarto. Pelo o que me contaram, existe um ponto onde você pega essa chiva e ela leva os passageiros para comprarem bebida em um bar específico. Depois, eles ficam fazendo um tour por toda Bucaramanga, dançando e bebendo. Consegui essas imagens da Chiva Rumbera de Bucaramanga no site Chiva Turs:



Outros tipos de lazer

Parque Aquático Acualago: em Bucaramanga há um parque aquático no bairro de Cañaveral. Eu e alguns colegas do trabalho, tiramos um sábado para irmos. Estava bem calor neste dia e nos ajudou a refrescar bastante. Pagamos CO$17.000,00 (cerca de R$20,00) para entrar. Achamos a comida bem cara dentro do parque. Um cachorro-quente com apenas pão e salsicha, era cerca de 6 reais! Mas era possível encontrar sorvetes e empanadas a preços um pouco mais justos. Lá havia armários para guardarmos as nossas coisas. Porém, a chave não ficava conosco e sim com um fiscal, e se quiséssemos abrir o armário, tínhamos que pagar uma taxa extra para cada vez que o pedíssemos para abri-lo. Lá, as mulheres são obrigadas a usarem tocas para que seus cabelos não caiam  na piscina. Pelo o que eu entendi, era uma regra que valia em toda a Colômbia. No condomínio onde eu morava também era assim. Se eu quisesse me banhar na piscina, eu teria que usar toca. rs...



Cinema: fui ao cinema apenas uma vez. Assisti a um filme em 3D muito bom, chamado "Caçadores de Emoção: Além do Limite". Fui com os meus amigos estrangeiros. Fomos ao Cinemark do Centro Comercial La Florida. Infelizmente, lá não havia filmes legendados, então assistimos ao filme em espanhol mesmo. Havia um africano de Gana conosco, ele só sabia se comunicar em inglês. Acredito que o filme tenha sido chato para ele, já que ele não sabia espanhol. rs...



Jardín Botánico Eloy Valenzuela: este jardim botânico fica em Floriblanca e é bem grande. Passeio calmo e agradável, em meio a tantas vegetações e diversidades de aves e outros animais que há no parque. Ideal para os que gostam de ficar em meio a natureza e/ou curtem botânica. Não me lembro bem quanto paguei para entrar, mas tenho quase certeza que foi CO$6.000,00.


San Juan de Girón: trata-se de uma vila pequena, vizinha à Bucaramanga, onde as casas são todas no mesmo estilo: branquinhas com portas em madeira. Existe um comércio muito bom ali, com preços bem baratinhos. Ideal para comprar lembrancinhas! Vale ressaltar que barganhar não é pecado aqui! Você consegue deixar o que já estava barato, mais barato ainda! Negocie!



El Puente de La Novena: antes de irmos para a Cabecera no Natal, fomos à ponte nova de Bucaramanga. Ela é estaiada e a noite faz um belíssimo espetáculo de luzes. Ela ficava no meu bairro, então o acesso a elas, para mim, foi fácil. Fiz umas fotos bem bonitas nela. Eu e meus amigos curtimos bastante e nos divertimos muito, "fazendo bagunça pela cidade" no Natal! rsrs... Saudades...



Cassinos: em Bucaramanga, cassino era igual igreja: a cada esquina havia um! rs... Lá (na Colômbia) os cassinos são legalizados, mas infelizmente, não tive tempo de ir a um. Meus amigos foram e me contaram que pra entrar, deve-se apresentar a identidade, comprovando que é maior de idade e comprar fichas de apostas. Eles compraram CO$2.000,00 em fichas! Cerca de R$2,40! hahahaha Eles me disseram que a comida e a bebida lá dentro são liberados. Isso mesmo! Você come e bebe à vontade! Pena que eu não fui. Comida e bebida liberada por apenas R$2,40!!! hahahahaha Eles são muito caras de pau mesmo! Mas me disseram que se divertiram!


Bom, é isso!
O post foi grande, pois tentei contar todos os detalhes! #SouDessas rsrs...
Fiquem com Deus e comentem bastante!
Beijão!


sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Diário de Bordo: Intercâmbio pela AIESEC - É bom? (Destino: Colômbia)


Em novembro de 2015, eu não tinha nada pra fazer após a minha aula, até que recebi uma notificação do Facebook em meu celular, me lembrando de um evento que eu havia marcado interesse de participar.

O evento era uma palestra, dentro da minha própria universidade (UFRRJ), sobre oportunidades de intercâmbio. Já que eu não teria mais aula naquele dia, decidi ir até lá. Cheguei lá com 15 minutos de atraso, a sala já estava lotada e não havia mais onde sentar. Mesmo assim, decidi ficar e saber "qual era daquele evento".

Os palestrantes mostraram diversos casos de pessoas que participaram do intercâmbio feito pela AIESEC, inclusive os deles mesmos. Foram experiências que me convenceram a dar um voto de confiança para eles. E, embora fosse um pouco duvidoso e o valor (muito barato!) fosse de se desconfiar, optei por me inscrever na plataforma deles e saber como isso funcionava.

O que é a AIESEC?

Para quem não sabe, a AIESEC é uma empresa formada por universitários com idades entre 18 e 30 anos. Você pode realizar o intercâmbio com eles em duas modalidades:

Voluntário Global: para universitários com idades entre 18 e 30 anos, que tenham vontade de realizar um intercâmbio com trabalho voluntário no exterior. Duração: 6 - 12 semanas. Inglês ou espanhol básico/intermediário.
Talentos Globais: para recém formados, com idade entre 18 e 30 anos, que queiram trabalhar no exterior recebendo um salário. Duração: 6 semanas - 1 ano. Inglês intermediário/avançado ou espanhol básico.

Ao me inscrever na plataforma deles, optei pelas seguintes opções: eu queria um intercâmbio com trabalho voluntário na área Ambiental (já que sou graduanda do curso e Engenharia Florestal) e que fosse na América do Sul (pois as condições climáticas e vegetais, assim como as condições do solo, são parecidas com as do Brasil).

Sendo assim, eles conseguiram um trabalho para mim na cidade de Bucaramanga, na Colômbia. Cidade esta, conhecida como "A Cidade Bonita" justamente por sua tamanha diversidade biológica e preocupação com a sustentabilidade.

Entrevista para conseguir o trabalho no exterior:

O próximo passo, foi uma entrevista com a AIESEC de Bucaramanga, via Skype. Nessa entrevista, eles testaram minha proficiência em idiomas. A entrevista começou em inglês e terminou em espanhol. Eu estava super nervosa! Mas recebi altos elogios ao meu espanhol assim como ao meu inglês! Na entrevista eles procuram saber também se você não é nenhum psicopata ou alguém que esteja indo pro país deles só por diversão. (A intenção principal é ajudar a comunidade local.) Na entrevista, eles também me perguntaram sobre temas atuais, como por exemplo, o que eu pensava sobre homossexualidade e aborto. (Isso tudo em um idioma que não era o português! Haja vocabulário pra saber! hahaha)

Fui aprovada na entrevista e ali mesmo agendei minha data de chegada e de saída da Colômbia! hahahahaha Próximo passo: avisar aos meus pais! kkkkkkkkkkkk Sim, eu, que dependia financeiramente dos meus pais, não havia os comunicado ainda de que pretendia ficar 6 semanas em outro país! hahahaha

Por que eu não havia comunicado-os ainda? Bom, no dia da palestra em minha universidade, eu tinha visto os valores e pensei: "bom, é uma grana que, se eu parcelar, dá pra eu pagar com a mesada que meus pais me dão! rs..." Então nem pensei em pedir dinheiro a eles. Sem contar que eu tinha mais de 18 anos e um passaporte, logo, eu poderia muito bem sair o país sem maiores complicações! rs... Fiz diversas pesquisas na internet, assisti a vários vídeos de pessoas que já fizeram intercâmbio pela AIESEC, principalmente para a Colômbia, então decidi tentar. Fiz a entrevista e passei!

Meus pais são separados (moro em uma república universitária), então primeiro conversei com o meu pai, que ficou preocupado imediatamente. As notícias que vemos na TV, principalmente sobre o tráfico de drogas e tal, assustava-o bastante! Como eu já esperava por isso, passei pra ele todos os links das pesquisas que fiz e dos vídeos que assisti. Ele ainda estava um pouco inredutível, até que aceitou. Não só aceitou, como disse: "vai ser seu presente de Natal!" Ebaaaa!! Yuhuuu!!! Nem precisei desembolsar minha mesadinha rsrs...

Já a minha mãe, me ligou perguntando se eu passaria o réveillon ou natal com ela. Foi quando eu disse: "acabei de comprar minhas passagens! Estou indo para um intercâmbio na Colômbia! Volto só no ano que vem!" Ela quase infartou! kkkkkkkkkkkkkk Disse que eu não iria, mas não adiantou de nada. As passagens estavam compradas! Então, ela teve que aceitar. rs... Aceitou tanto que ficou toda boba com as minhas fotos! Ela adorava as fotos que eu mandava! Minha mãe, sendo minha mãe! Mega coruja!

Meu namorado me deu o maior apoio, desde o início. Ele foi o primeiro a saber da minha vontade! Mas parece que sua ficha só caiu alguns dias antes de eu embarcar. Ele ficou todo tristinho. Afinal, só tinhamos 6 meses juntos. Deu peninha. Mas eu prometi que voltaria e voltei! hahaha

O dinheiro que gastei:



- Taxa AIESEC: essa taxa arca com as despesas da empresa com a sua Host Family. No meu caso (varia de acordo com o trabalho que você escolhe), essa taxa também me dava direito a um Body e a um Pick Up. Para quem não sabe, Host Family é a casa de família onde você fica hospedado durante seu intercâmbio. Já o Body é uma pessoa que te ensina a andar pela cidade, assim como pegar ônibus e pedir comida em restaurantes e lanchonetes. E o Pick Up é a pessoa que te busca no aeroporto e te leva pra sua Host Family. Eles parcelam essa taxa em até 4x s/ juros. Como era o mês de novembro, paguei essa taxa com desconto de Black Friday! (Não chegou nem a mil reais!)


- Seguro de viagem: é obrigatório ter um seguro de viagem para viajar pela AIESEC. É ela quem vai cobrir seus gastos com qualquer emergência médica, assim como em caso de extravio de bagagens e outros imprevistos (que estejam no contrato da seguradora). O mais barato que encontrei foi o da Mondial. Também paguei o preço de Black Friday. Eles parcelam em até 6x s/ juros. Não houve necessidade de eu usar o meu seguro, mas um brasileiro que conheci por lá (estava no mesmo projeto que eu), teve uma virose e precisou acionar seu seguro (que era o mesmo que o meu: Mondial). Ele contou que foi muito bem recebido. Foi para um hospital público, mas assim que acionou o seguro, foi transferido para um quarto VIP no hospital e teve tratamento de primeira! Ele disse que recomenda o seguro (e eu também! rs...).

- Passagens aéreas: comprando-as de 3 a 2 meses de antecedência, as passagens de Brasil para Bucaramanga (com escalas em Lima e Bogotá), ida e volta juntas, saem por menos de mil reais (há taxas a serem incluídas). Mas, como eu só tinha duas semanas até a minha data de embarque, paguei um pouco menos de dois mil e quinhentos reais (com as taxas). Comprei as passagens pelo Decolar.com que parcelam-as em até 10x s/ juros.

- Gastos em Bucaramanga: levei 100 dólares para cada semana. O dinheiro deu numa boa! Um prato de refeição em Bucaramanga com suco à vontade e sopa de entrada (sim, lá eles tomam sopa todo dia, em qualquer horário do dia! rs) custa cerca de 5 mil pesos colombianos, equivalente a 6 reais. Se esse prato de comida for comprado no Mc Donalds (sim, eles servem almoço de verdade lá! Com direito até a arroz, feijão, batata frita e sundae de sobremesa!), você gastará cerca de 10 mil pesos colombianos, que equivale a 12 reais. A passagem de ônibus lá custa cerca de R$2,00 e o táxi você gasta entre R$6,00 e R$8,00, pois é tudo bem próximo e geralmente você pode dividir esse valor com alguém. Logo, fica mais barato ainda! Também há serviço de Uber na cidade! Com esse dinheiro que eu levei, sobrou grana para eu viajar pela Colômbia! Passei o Réveillon em Cartagena e fui para Bogotá em meu último final de semana na Colômbia.


Em resumo: gastei menos de 5 mil reais pra ir pra Colômbia (passagens, taxa e seguro) e 600 dólares com gastos pessoais dentro da Colômbia. Vale ressaltar que esses gastos foram para SEIS SEMANAS! Vejo pessoas viajando por aí, gastando o mesmo que eu, para passarem apenas 1 semaninha em algum lugar. rsrs...


Minha Host Family:

Fiquei na Colômbia de 19 de Dezembro de 2015 à 1º de Fevereiro de 2016 (6 semanas).

Pensei que fosse ter uma família grande, com irmãos e pais na faixa dos 40 a 50 anos, mas me enganei. Meus pais na Colômbia eram um casal de namorados, 1 ano mais novos que eu! hehehe


Foi ótimo! Eles me deram a chave de casa, deixavam eu chegar a hora que eu quisesse. Alguns amigos do trabalho até puderam ir me visitar! Meus pais colombianos eram bem tranquilos! Foram viajar e me deixaram sozinha em casa, cuidando do gato (sim, eles tinham um gato!)! hahahaha

Morei por 6 semanas num condomínio chamado Portal San Sebastian, com: piscina, academia, salão de festas, parquinho, garagem... Muito bom! E ainda havia um shopping (com cinema, mercado, sorveterias, cafeterias e boliche) ao lado! Seu nome é "Acrópolis". Quando eu descobri que havia um Subway ali, não saí mais de lá! kkkkkkkkkkkk

Morei em um apartamento parecido com este (ele fica no mesmo condomínio onde morei), bem amplo:


Os outros que estavam comigo no intercâmbio também ficaram em casas e apartamentos de níveis similares. Houve aqueles que ficaram em casas beeem melhores, de riquinho mesmo, sabe? rs...

Mas quanto mais rica era a família, mais exigente ela era!

Eu era a única, dentre os meus amigos intercambistas, que tinha a chave de casa! Alguns tinham hora pra chegar. Se não chegasse até o horário combinado, a host family não abria o portão e o deixava dormir na rua! Houve uma outra brasileira que tinha que ir dormir na mesma hora em que seus irmãos (crianças) iam dormir e acordar na mesma hora que eles. Ela não podia ficar no quarto se seus irmãos não estivessem. Era umas regras bem estranhas... rsrs... Mas cultura é cultura, né? Vai entender! rs...


Obviamente que os intercambistas que reclamavam de sua host family para a AIESEC, se mudavam. A AIESEC arranjava outra Host Family. Não que isso fosse fácil de arranjar de imediato, mas eles davam o seu melhor! Houve um brasileiro que se mudou pelo menos umas 4 vezes! rsrs...


Assédio na Colômbia

Na Colômbia, infelizmente, o assédio sexual é muito grande contra às mulheres. É muito comum você sair nas ruas e ouvir alguma "cantada". E elas não são nada gentis. São super indiscretas. Vou contar 3 casos que aconteceram comigo na Colômbia:

1º Caso: andando pela rua com uma amiga porto riquenha, um cara passou por nós e sussurrou alguma cantada (que eu chamaria de grosseria). Como sempre, eu nunca entendia, pois eles falavam muito baixo e bem arrastado, entre os dentes. Eu teria que ser nativa no espanhol pra conseguir entender. Pois além de eles falarem desta maneira, eles usavam de gírias que eu desconhecia. Pois bem, ao perguntar à minha amiga o que o rapaz disse, ela me respondeu que era melhor ela nem repetir, pois havia sido algo muito feio, cujo qual, ela tinha vergonha em repetir.

2º Caso: eu estava voltando da Kasa Guane, por volta das 23h, sozinha. Eu não tinha medo de andar por lá, pois sempre foi muito tranquilo. Como sempre, todos os homens me observavam. eles observavam QUALQUER mulher, na cara de pau mesmo! Sem vergonha! Faziam caras e bocas e jogavam suas grosserias. Quando eu já estava em meu bairro, próximo à minha casa, um motoqueiro, cujos seus olhos vinham seguindo os meus passos; por não prestar atenção no trânsito (justamente por ficar me olhando), acabou caindo de sua moto ao tentar frear em um semáforo. Eu, claro, fiquei assustada e apertei os passos.

3º Caso: foi o primeiro dia que saí de vestido na Colômbia. Nos outros dias, só havia saído de calça comprida. Meu vestido era de cumprimento normal, nem longo, nem curto. Um pouco acima do joelho só. Na primeira esquina que passei, veio um homem em minha direção, me olhando. Logo atrás dele, outro homem já estava se preparando pra me observar enquanto ele passava por mim. E o rapaz que estava na carrocinha de cachorro-quente também já me observava de longe. Neste dia eu estava de TPM e não deu muito certo! rsrs... Quando o primeiro a passar por mim, jogou sua grosseria, eu tratei logo de virar pra cima dele e gritei em português mesmo: "QUAL É O PROBLEMA DESSE PAÍS? NUNCA VIRAM MULHER, NÃO?". Este acelerou o passo e os outros rapazes ficaram assustados e disfarçaram. O rapaz da carrocinha de cachorro-quente fingiu que nem estava mais me olhando, enquanto o outro que vinha logo atrás, abaixou a cabeça ao passar por mim.

Sei que foi um perigo eu ter feito isso. Mas era de dia e a rua estava bem movimentada. Lá, as mulheres estão acostumadas a ouvirem esses tipos de coisas e a abaixarem a cabeça. Algumas até gostam. Mas eu não gosto.


Segurança na Colômbia

Graças a Deus, não sofri nenhuma tentativa de estupro, nem de assalto pela Colômbia. Mas alguns colegas meus chegaram a ser assaltados. Infelizmente, violência há em todo lugar.

Achei as ruas por lá muito bem policiadas. E vi os policiais revistando algumas pessoas. Disseram-me que a polícia lá escolhia aleatoriamente quem eles iriam revistar, independentemente se vissem algo suspeito ou não. Vi pivetes sendo revistados, assim como também vi um casal de namorados sendo revistados. Enfim, era bem aleatório meeeeesmo.

Um estudante de Engenharia Ambiental da Costa Rica, que estava no mesmo projeto que eu, chegou a ser um dos escolhidos para ser revistado. Infelizmente, naquele dia, ele estava sem seu passaporte e, por isso, ficou detido na delegacia por 30 minutos.

É sempre bom lembrar que no exterior, devemos sempre manter o nosso passaporte junto com a gente, pelo menos uma cópia do passaporte é bom ter. Até porque, se você for assaltado e levarem seu passaporte original, o prejuízo será muito grande, sem contar a dor de cabeça que a burocracia te dará depois!


Meu trabalho voluntário:

Trabalhei na Colômbia como trainee no projeto "Ecomundo: Plataforma Vital". Esse projeto consistia em divulgar a biodiversidade de Bucaramanga e incentivar os moradores em terem um maior contato com a natureza, assim como, a preservá-la. Abaixo, separei um trailer de um mini-documentário que fizemos sobre o nosso projeto:


O bom de fazer intercâmbio é que você conhece pessoas de vários países! Uma das vantagens de fazer amizades com estrangeiros é que você já têm onde se hospedar em sua próxima viagem! hahahaha

Brincadeiras à parte, no meu intercâmbio eu desenvolvi diversas habilidades como: liderança, gestão de projetos, aperfeiçoamento da língua espanhola, segurança ao palestrar, responsabilidade com prazos e metas, dentre muitos outros!


O mais bacana do projeto que participei é que estávamos sempre fazendo trilhas! Sempre em contato com a natureza! Então conheci muitas cachoeiras e cidades vizinhas à Bucaramanga! Bem legal!
Também vale ressaltar que boa parte dos voluntários no projeto eram estrangeiros. Além dos colombianos e brasileiros, também conheci e fiz amizade com pessoas do Equador, Bolívia, Venezuela, Porto Rico, Costa Rica, Peru, Chile, Uruguai, Guatemala, Estados Unidos, Canadá, França, Polônia, Gana e México!


Além de trabalhar, também passeei bastante com os amigos que fiz! Fomos ao cinema, parque aquático, balada, restaurantes... E quando enjoamos da comida colombiana, ainda fizemos um churrasco brasileiro!!!


Pode parecer bobeira pra vocês, mas adorei conversar com os mexicanos sobre suas novelas e cantar músicas do RBD e do Chaves com eles! Foi incrível! hahahaha


Fui e voltei viva! Sã e salva! rsrs...

Segue abaixo o vídeo de agradecimento que meus "chefinhos" na Colômbia fizeram a todos os voluntários:


Uma curiosidade sobre a taxa da AIESEC, quanto mais vezes você fizer intercâmbio com eles, mais desconto você ganha na taxa em sua próxima viagem! Exemplo:

1ª viagem: 0% de desconto (a não ser que seja Black Friday ou algum outro dia especial, como aconteceu comigo! rs)
2ª viagem: 25% de desconto
3ª viagem: 50% de desconto
4ª viagem: 75% de desconto
5ª viagem: 100% de desconto (sim, você não paga taxa nenhuma pra AIESEC!)

Contudo, você não pode esquecer que pra realizar essas viagens, você tem que atender aos pré-requisitos deles! Alguns desses pré-requisitos são:

- Estar cursando uma universidade ou ser recém-formado;
- Ter entre 18 e 30 anos de idade;
- Ter nível intermediário em inglês ou no idioma do país para onde está indo;
- Passaporte e visto (quando necessário);
- Pagar seus gastos com passagens e seguro viagem;
- Pagar a taxa da AIESEC.

Você também pode ser Host Family de algum intercambista que esteja vindo para o Brasil! Essa pode ser uma maneira de conhecer novas culturas e receitas, e até mesmo praticar um novo idioma! Basta você entrar em contato com o pessoal da AIESEC da sua universidade/cidade.

Sim, eu recomendo a AIESEC para você realizar o seu intercâmbio!

E preparem-se: durante esse mês de Janeiro/2017, haverá um especial do Diário de Bordo sobre a Colômbia! Será toda sexta-feira deste mês! Vejam a nossa programação:

06/01/2017: Intercâmbio AIESEC
13/01/2017: Bucaramanga
20/01/2017: Cartagena
27/01/2017: Bogotá

Para maiores informações sobre o intercâmbio pela AIESEC, acesse os links abaixo:
http://aiesec.org.br
http://facebook.com/aiesec.rj
http://internships.aiesec.org/

Você também pode entrar em contato comigo se quiser tirar alguma dúvida!
Fiquem com Deus!
Beijos!

quarta-feira, 4 de janeiro de 2017

Review: Marlon Lemos Tattoo - Minha 1ª Tatuagem!

Olá, lindezas!
Tudo bem com vocês?
Hoje vou contar para vocês sobre como foi fazer a minha primeira tatuagem!

Por volta de Julho/Agosto do ano passado (2016), eu e minhas amigas que conheço há mais de 17 anos (Ariane, Taísa e Thaís) queríamos fazer uma tatuagem e decidimos que faríamos o mesmo desenho. Por isso, optamos por algo que representasse a nossa amizade e que tivesse as nossas iniciais, cujas quais, ligas da esquerda para a direita, formasse o nome do nosso grupo: "ARTT".


A escolha do desenho...

Depois de muito pesquisar, decidimos por uma rosa dos ventos, onde a inicial do nome da tatuada estivesse sempre apontada para o Norte e as demais letras ficassem no sentido horário, formando a sigla "ARTT".

Ao centro da rosa dos ventos, decidimos pôr o Símbolo da Amizade Zibu: "Tama".


"A tatuagem do símbolo zibu para a amizade é das mais populares. Ele foi criado por uma artista enquanto ela praticava o Reiki. Trata-se de um desenho angelical, uma vez que a artista afirmou ter tido contato com anjos durante a prática terapêutica. A imagem é representada por algo semelhante à letra "l" cursiva. Seus contornos fazem com que o mesmo se assemelhe aos símbolos celtas. Esse símbolo expressa a valorização das qualidades das pessoas com quem temos vínculos de amizade. Ele demonstra que reconhecemos a importância dos nossos amigos."



Depois de termos uma ideia de como queríamos o nosso desenho, pedimos ao tatuador para dar alguma incrementada/ideia no nosso desenho e também para escolher a fonte (formato) das letras.

Queríamos que a linha da rosa dos ventos (a cruz) fosse pontilhada, mas ele nos disse que pontilhada não ficaria muito bom, pois ficaria muito fino e quase não daria para ser visto. Confiamos, afinal, ele é profissional e entende disso melhor do que a gente. Como alternativa, ele sugeriu para que fizéssemos as setas da rosa dos ventos com a técnica de pontilhismo.


"Pontilhismo, em pintura, é uma técnica onde se usam pequenos pontos (ah, vá!) ou manchas, que pela justaposição, provocam uma mistura óptica nos olhos do observador, criando uma imagem. Ou seja: pontos ao invés de traços contínuos. Para tatuar esse estilo é preciso muita técnica e experiência, já que o que define a imagem que será ser formada é a aplicação correta de sombreado e profundidade. Haja habilidade!"
[Fonte: Por Acaso]



Escolhido o desenho, hora de escolher o tatuador! 

Entramos num consenso de que todas deveríamos aprovar o tatuador. Se uma o reprovasse, tínhamos que escolher outro. Sendo assim, pesquisamos bastante e avaliamos diversas páginas de tatuadores no Facebook e Instagram.

Também verificamos preços e tipos de agulhas (optamos pelas descartáveis), além da distância do estúdio do tatuador até as nossas casas (para a locomoção não ficar tão distante).

Marlon Lemos e Renatinha Araújo no estúdio Marlon Lemos Tattoo no Shopping Downtown, na Barra da Tijuca (RJ).

Sendo assim, optamos pelo Marlon Lemos que possui dois estúdios de tatuagem no Rio de Janeiro, sendo um no ParkShopping Campo Grande e outro no Shopping Downtown (na Barra da Tijuca).

Entramos em contato e agendamos nossa tatuagem para o último final de semana de Outubro/2016. Justamente o final de semana em que eu estava de TPM! hahahaha Conclusão: fiquei tensa, muito nervosa, indecisa e optei por não ir fazer a tatuagem.


Em qual parte do corpo fazer a tatuagem?

Definitivamente, aquele não era o meu dia, portanto, eu não estava preparada. Além disso, eu ainda não tinha certeza sobre qual parte do corpo eu gostaria de fazer a tatuagem, e também não estava tão bem financeiramente para pagar por uma tattoo.

Minhas amigas seguiram firmes e fortes, e foram fazer suas tatuagens no estúdio do Marlon no Shopping Downtown. Não pude ir no dia (mesmo que só para assisti-las fazendo), pois acabei me comprometendo a levar minha cachorrinha para tomar vacina naquele mesmo dia. Mas acompanhei tudo por whatsapp ao vivo! hahaha Elas filmaram e fotografaram para eu assistir.

Vejam só que fofa, a Ariane filmou a parte em que tatuaram o R (de Renata) em seu braço e me enviou:



Naquele mesmo dia, minha menstruação desceu e a TPM foi embora. E, ao ver os vídeos e fotos que elas me enviaram, logo me reanimei a fazer a tattoo! Adorei a parte do corpo em que a Ariane e a Taísa escolheram para tatuar.

A Taísa escolheu na parte de cima do braço, enquanto que a Ariane escolheu na parte de dentro. Já a Thaís, optou por fazer na parte de dentro do tornozelo.

Achei interessante fazer na parte de dentro do braço, como a Ariane fez. Ficou discreta, só aparece de vez em quando e dá pra esconder quando for trabalhar. Sei que esse tabu não é tão forte hoje em dia, mas não queria fazer nada que fosse exagerado ou chamativo, da qual eu pudesse me arrepender depois, por três motivos: 1) temia sentir dor, então não queria que fosse algo muito grande/demorado de fazer; 2) não combina comigo; 3) sim, eu tenho medo de que isso me atrapalhe a conseguir um emprego.

Sendo assim, pedi para as minhas amigas pedirem ao tatuador para guardar o desenho, pois com certeza, eu iria lá fazer a minha tatuagem!


O dia de fazer a Tattoo...

Liguei para o estúdio do Marlon e agendei minha tatuagem para a segunda semana de Dezembro/2016 no estúdio do ParkShopping, em Campo Grande (meu cartão já teria virado e essa dívida só viria no mês de Janeiro/2017! Perfeito!).

Avisei à menina que fez o meu agendamento, que eu queria fazer o mesmo desenho que minhas amigas fizeram no Shopping Downtown. Eu disse a ela que o Marlon havia guardado meu desenho. Ela me disse que se o Marlon guardou mesmo, eu não precisaria levar o desenho no dia.

Dois dias antes do dia marcado, a mulher do agendamento me ligou para confirmar minha presença e eu confirmei. Perguntei a ela mais uma vez sobre o desenho, e dessa vez, ela me disse que o Marlon não guardava nenhum desenho. Ou seja, eu teria que levar o desenho, mas poderia ser no celular mesmo. Não havia necessidade de imprimi-lo ou algo do tipo.

Fiquei chateada, mas levei o desenho no meu celular. Fui ao estúdio sozinha, pois neste dia, todas as minhas amigas estavam trabalhando/estudando. Quando cheguei ao estúdio no ParkShopping, eis que recebo a notícia do próprio Marlon: "Eu guardei seu desenho sim, só que eu não sabia que era você quem viria fazer a tatuagem hoje. Deixei o desenho lá no Shopping Downtown."

Resumindo: por falta de comunicação entre a mulher que faz o agendamento e o Marlon, acabei não fazendo a tatuagem naquele dia. O Marlon me explicou que poderia até fazer outro desenho para mim ali, porém, havia chance de o desenho não ficar 100% igual ao das minhas amigas (tamanho do desenho e detalhes, que estavam no molde que ele havia deixado no outro shopping).

Mesmo chateada, fiquei feliz com a sinceridade do tatuador, que deu um jeito de me encaixar em uma desistência lááá no Downtown (que era bem mais longe da minha casa e, mesmo eu saindo de casa às 11h30, cheguei ao estúdio às 16h. Meu horário era às 15h!), mas eu fui. Dessa vez, a Thaís pôde me acompanhar. Ela me encontrou lá no Shopping Downtown e assim como o Marlon, aguardou-me por uma hora.

Foi a Thaís quem tirou essas fotos que separei abaixo para mostrar a vocês!




Doeu?

Não sei explicar ao certo se "doeu". Quando me perguntam isso, eu digo que não doeu. Pois não doeu mesmo. rsrs... Mas causou um incômodo. É como se houvesse alguém me arranhando ou beliscando. Não sei explicar. O que posso dizer é que assim que o tatuador desliga a máquina, o incômodo para instantaneamente. E também não ficou dolorido, nem houve vermelhidão depois (obviamente que cada corpo reage de uma maneira diferente, né).

Até filmei e tirei selfies enquanto eu estava sendo tatuada:



Um vídeo publicado por Renatinha Araujo (@missaraujo) em


Sinto-me até mais corajosa para fazer a minha segunda, terceira, quarta... tattoo! hahaha


O que os meus pais falaram...

Não contei pra ninguém antes de fazer. A não ser para  meu namorado e alguns amigos. Meu pai, quando viu, gostou. Achou bonita e discreta (já esperava essa reação dele! rs...). Já a minha mãe (que eu esperava que fosse dar um escândalo), não elogiou, nem chiou. Estava mais preocupada em saber como eu arranjei dinheiro para fazer tatuagem... Resposta: já inventaram o cartão de crédito... rsrs...

   


No dia seguinte ao que eu fiz minha tattoo, eu aproveitei para clarear o meu cabelo:

   

Já estamos em 2017 e ainda não tiramos uma foto juntas com a nossa tattoo! :(
Mas espero que essa foto saia em breve... Enquanto isso não acontece, fiquem com essa colagem abaixo:



Aos curiosos e interessados que queiram conhecer mais sobre o trabalho do Marlon Lemos, segue abaixo os contatos dele:




Perfil no Instagram: www.instagram.com/MarlonLemosTattoo 
Perfil no Facebook: www.facebook.com/MarlonLemos
Telefone Shopping Downtown: (21) 3420-2026
Telefone ParkShopping Campo Grande: (21) 3384-3800
Whatsapp: (21) 9 7987-1228





Tenho planos de publicar um vídeo com o meu feedback da tattoo no YouTube algum dia... Mas, por enquanto, são só planos mesmo! 

Até a próxima!
Related Posts with Thumbnails